top of page

Tireoide: pequena glândula, grande importância

Atualizado: 9 de nov. de 2021



"A tireoide é uma glândula bem pequena, localizada na parte anterior do pescoço e tem um curioso formato que se assemelha a uma borboleta. Apesar de pequena, ela tem uma importância muito grande ao nosso organismo. Espero que aproveite a leitura. Confira no final desta matéria, um podcast que eu fiz para você!".


 

Nesse artigo iremos falar sobre toda essa importância e ainda discutiremos no final o tipo mais comum de alteração, o hipotireoidismo de Hashimoto.

A glândula capta através da alimentação ingerida, um aminoácido não essencial chamado tirosina e o iodo e partir disso, torna-se responsável, através de uma infinidade de reações, por produzir os hormônios tireoidianos T4 (tiroxina) e T3 (triiodotironina), sendo somente o segundo considerado “bioativo”, ou seja, o que realmente faz “efeito”.

A glândula não é a única responsável por produzir o hormônio ativo (T3), outros tecidos também são capazes, através de uma enzima chamada Deiodinase, de transformar Tiroxina (T4) em T3 em uma reação dependente de alguns minerais como selênio e fósforo.

Os efeitos do T3 no organismo são muitos. Esse hormônio está relacionado com a sinalização para o funcionamento inúmeros sistemas como o gastrointestinal, cardiovascular e neurológico; Além do estimulo a formação de fâneros, regulação do fluxo menstrual feminino, humor e disposição.

Inúmeros fatores podem atrapalhar o bom funcionamento da glândula.

Causas externas como tabagismo, sedentarismo e alcoolismo, ma alimentação, ausência de minerais essenciais e vitaminas, intoxicações, menopausa (clique para conferir a matéria) e até mesmo auto-imunidade, podem afetar na produção dos hormônios.

Sabendo de toda a sua importância, podemos imaginar que a ausência ou diminuição dos níveis de T3 (hipotireoidismo) bem como aumento exagerado na sua produção (hipertireoidismo), é altamente manifestada com sintomatologia expressiva no organismo.

No caso do hipotireoidismo, que é a alteração mais comum da glândula, costuma-se notar os seguintes sintomas:

- Aumento de peso

- Unhas e cabelos quebradiços

- Dificuldade de concentração

- Falta de memória

- Fadiga

- Dificuldade para realizar exercícios

- Dores articulares

- Dores musculares

- Constipação ou diarreia

- Aumento do índice de gordura corporal

- Alterações no sono

O diagnóstico do hipotireoidismo consiste em avaliação clínica, onde a sintomatologia tem importância crucial, associada a avalição de níveis hormonais séricos e exames de imagem.

O Tratamento é realizado com modificação no estilo de vida, baseado em exercícios físicos regulares e uma boa alimentação (em alguns casos é necessário retirar alguns alimentos da dieta), além é claro da reposição do hormônio tireoidiano e suplementação caso seja necessário.


Vamos falar um pouco sobre o tipo mais comum de hipotireoidismo ?


HIPOTIREOIDISMO DE HASHIMOTO

A tireoidite de Hashimoto ou tireoidite linfocítica crônica representa a mais comum das tireoidites e também a causa mais frequente de hipotireoidismo cuja origem é autoimune.


Seu mecanismo de patogênese ainda não é completamente conhecido, mas sabe-se que consiste basicamente na ação de células de defesa do próprio organismo (Anti-TPO) sobre a tireóide que resulta em agressão ao local, inflamação e leva a tireoidite.

A glândula tireóide por sua vez, não consegue realizar seu funcionamento normal devido o processo inflamatório local, que leva a destruição e morte de células foliculares (células que formam a glândula) no local. Os autoanticorpos (Anti-TPO) produzidos também competem antagonicamente com o TSH (hormônio que estimula a tireoide a funcionar), diminuindo a capacidade de funcionamento e consequentemente levando a uma menor produção dos hormonios. *Alguns pacientes podem cursar com hipo e hipertireoidismo transitório*


O hipotireoidismo de Hashimoto costuma ser mais frequente em mulheres do que homem (cerca de 5 a 20 vezes mais), pode acometer qualquer idade mas é mais incidente entre os 40 - 60 anos.

O quadro inicial pode variar de um paciente para o outro. Alguns iniciam o quadro apresentando dores no pescoço, bócio (aumento do tamanho da glândula) ou até mesmo sintomas como sensação de “uma bola na garganta”, além é claro dos mais comuns como por exemplo fraqueza, fadiga, mialgia(dores musculares), dispnéia (falta de ar), apatia, aumento de peso, humor deprimido, dificuldade de memorização além de unhas e cabelos quebradiços.


O tratamento é feito com reposição do hormônio, pois a ausência deste no organismo trás complicações importantes no desenvolvimento e no dia a dia. Restrição de glúten na dieta, glicorticoides para redução dos sintomas locais em alguns pacientes e em casos mais graves o tratamento cirúrgico pode ser indicado. Ainda precisam ser avaliados alguns auxiliares importantíssimos ao tratamento, como os níveis de vitamina D, selênio, magnésio, zinco, Inositol e outros que precisam ser adicionados ao hall terapêutico do individuo com hipotireoidismo de Hashimoto.


Grande abraço,


Dr. Ronaldo Wilson Barroso Filho





95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page